Poeta mineiro Alexandre Bonafim comenta sua obra na próxima quarta-feira, 20, na Fundação Casa de Jorge Amado

(…) um poeta da estirpe do belo-horizontino Alexandre Bonafim, autêntico “mineiro marítimo”, digno herdeiro de Eugénio, assim como de Cecília Meireles, Sophia de Mello Breyner Andresen, Luis Cernuda, Dora Ferreira da Silva, entre tantos mestres amados, pede muitas leituras. A voz que ecoa neste arquipélago é tão rica e rara que, sem dúvida, encantará cada leitor de cada ilha ou de cada estrela que dele se aproximar
– Luíza Mendes Furia, escritora e jornalista

No próximo dia 20 de julho, quarta-feira, a Fundação Casa de Jorge Amado recebe, no projeto Com a Palavra o Escritor, ninguém menos que o mineiro Alexandre Bonafim. Nas palavras de Álvaro Cardoso Gomes, Bonafim é “poeta maduro, dono já do seu ofício, (…) com rigor, explora temas já consagrados pela poesia clássica, mas insuflando-lhes um sopro novo e original, graças ao domínio de uma práxis poética que não se rende aos apelos do canto de sereia dos modismos estéreis”.

Alexandre Bonafim nasceu em Belo Horizonte, onde viveu até os 8 anos de idade. Morou também em Franca (interior de São Paulo) e Assis (Alemanha), até chegar a Goiânia, onde reside atualmente. É poeta, ficcionista e crítico literário. Publicou os seguintes livros de poesia: Biografia do deserto (2006), A outra margem do tempo (2008), Sagração das despedidas (2009), Sob o silêncio do anjo (2009), Arqueologia dos acasos (2010) e Arquipélago do silêncio (2011). Teve seu conto “O cavalo azul” publicado na antologia portuguesa Um rio de contos, livro no qual autores de Portugal e Brasil foram reunidos, em importante obra. Participa da antologia Roteiro da poesia brasileira, da editora Global, organizada por Marco Lucchesi.

Bastante elogiado por diversos autores, poetas e jornalistas, Bonafim, segundo Cleri Aparecida Biotto Bucioli, “sem medo ou escrúpulo de ferir-se, constrói uma percepção de mundo a partir de um olhar que perscruta, vai além do que a superficialidade permite. O poeta não recusa o aqui e o agora, aceita-os com suas mazelas. Seu olhar contemplativo investiga, infiltra-se no âmago dos seres e, nesse afã de construir a percepção a partir do contato direto com o real, apresenta uma poesia lancinante. O leitor é golpeado por uma poética que lhe aguça sentimentos mistos”.

O Com a Palavra o Escritor, há 17 anos, promove o encontro entre autores e público através de depoimentos informais. No evento, escritores de ficção e poesia, críticos, historiadores e tradutores já tiveram ocasião de partilhar sua experiência pessoal sobre a aventura de publicar um livro.

Com a Palavra o Escritor | Alexandre Bonafim
20/07/2011, quarta-feira, 17h
Fundação Casa de Jorge Amado – Largo do Pelourinho

Maiores informações: http://www.jorgeamado.org.br
comunicacao@fundacaojorgeamado.com.br

Anúncios